Observações sobre tudo e sobre coisa nenhuma
11.3.11

Comecei a trabalhar poucos meses depois de terminar o curso. Não em algo relacionado com o curso - deveras teórico - que tirei mas, curiosamente, ou não, numa área para a qual também tinha habilitações e preparação, pois em tempos tirei um ano não sabático e fiz um curso teórico e prático numa área que nada tem a ver com a da minha formação unversitária. E foi este curso que me abriu a porta do mercado de trabalho. Dos colegas de universidade, do meu ano e posteriores, creio que se contam pelos dedos os que trabalham na área. Mas é assim connosco e com muitos outros. Hoje, trabalho em algo para que não me formei, aprendi fazendo, com algum jeito e gosto. E não me queixo. Não porque tenha que pensar em quem está pior (que também penso) mas porque estou satisfeita. Se calhar é mau, devia querer mais. Neste momento, dado o estado de incerteza e dificuldades, e por gostar do que faço, estou satisfeita. Infelizmente, sei que há quem procura e não consegue encontrar emprego; sei que há quem só queira trabalhar na sua área, mas há muitos que estão dispostos a encarar uma alternativa e não encontram; nem todos os desempregados têm curso superior, também é preciso lembrarmo-nos deles (não é só quem tem um curso superior que tem direito a queixar-se); acredito que há muitos que não queiram realmente trabalhar mas há tantos mais que querem e não  conseguem. Há de tudo. Chovem defesas e críticas ao movimento Geração à Rasca. Eu não condeno, sei que há quem procura, luta, envia cv's, bate às portas e leva negas e não consegue encontrar o mínimo de estabilidade e dignidade. Mas critico quem se queira aproveitar deste movimento para aparecer. Critico quem não quer trabalhar e se queixa que não tem dinheiro mas depois gasta o dos pais em saídas e copos.

Critico quem não se encontre à rasca mas que se inclua no mesmo saco dos que estão. E chegada a este ponto não compreendo muito bem que o Blogue de Esquerda da revista Sábado tenha convidado a autora de um dos blogs mais conhecidos deste nosso Portugal para escrever um texto sobre o assunto. Que ela escreve bem, é um facto, tem humor, ironia e sensibilidade (já o referi num post recente). Mas visitando o blog percebe-se que - felizmente - não está à rasca.  Talvez seja uma escolha da moda, mas se eu estivesse à rasca, talvez considerasse o convite, e o facto do mesmo ter sido aceite, um bocado ofensivo. Fica o texto.

 

Nota: Esta parte final não pretende ser nenhum ataque, apenas uma opinião. Comecei por manifestá-la na caixa de comentários do blog da Pipoca mas depois veifiquei que é preciso ter conta no google para comentar, e eu não tenho, optei por opinar aqui.

 

link do postPor costela de adão, às 20:52  para dizerem algo

De Sorriso a 12 de Março de 2011 às 15:28
Concordo plenamente contigo! Foi o melhor texto sobre o assunto que li até agora. :)
Quanto ao texto da Pipoca, eu entendi a ironia dela... E há que pensar que não sabemos tudo sobre a sua vida pessoal e profissional, nomeadamente se faz parte da geração recibos verdes, por exemplo... Se realmente a situação dela é assim tão boa como parece... Mas, compreendo quando dizes que, tendo em conta o que expõe no seu blogue, ela não parece estar "à rasca" e não é, por isso, a pessoa mais indicada para falar no assunto.

Bom post. :)

Beijinhos

De costela de adão a 12 de Março de 2011 às 19:09
Antes de escrever também pensei na questão dos recibos verdes. Pela área em que penso que a Pipoca trabalha, provavelmente também fazem parte da sua vida. O que é um atentado e um roubo para quem trabalha nestas condições. Mas depois há aquilo que expõe no blog - que não condiz propriamente com dificuldades - e foi esse aspecto que me levou a escrever.
Obrigada pelo elogio.
Bjks :-)

Pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
26

28
29
30
31


arquivos
links
A Passear no Paraíso