Observações sobre tudo e sobre coisa nenhuma
11.3.12

Em 2009 escrevi um post sobre o número avassalador de séries de televisão que nos foram dadas a conhecer na passada década. Das que então referi, umas continuam no ar, algumas estão na última temporadas e outras já deram o último suspiro, seja por conclusão da história, seja por cancelamento. Das então referidas continuo fiel à Meredith Grey e seus colegas, que actualmente vai na 8ª temporada. Outras não mencionadas na altura, por não existirem, por desconhecimento meu, por ainda estar a descobri-las então,  mas das quais sou fã  (mais de umas do que de outras, é certo) são Foi Assim que Aconteceu, Mais Vale Juntos (sitcom sobre 3 casais em fases diferentes das relações), Boardwalk Empire (para quando a 2ª temporada AXNB?), Sangue Fresco, O Mentalista, A Teoria do Bing Bang, Pequenas Mentirosas, Modern Family, Leverage (Jogo de Audazes) e Castle. Entretanto, estou muito curiosa para conhecer Downtown Abbey e Homeland.

Já na altura pensei e volto ao mesmo, são demasiadas séries, e pouco tempo para todas. Se mesmo assim, conseguir assistir às de cima, já não é nada mau.

 

 

link do postPor costela de adão, às 17:17  para dizerem algo

21.2.12

A recapitular as temporadas iniciais de Sangue Fresco, volto a esta cena, da 2ª temporada.

Gosto muito dela, da forma como foi filmada, da luz, do diálogo.

Vá, pronto, o Sr. Skarsgard também está muito bem.

 

 

 

sinto-me: fangtastic
link do postPor costela de adão, às 18:40  para dizerem algo

16.4.11

Tal como acontece com algumas relações, também as séries de televisão (sim, eu sei, que raio de comparação!) atravessam períodos menos bons que podem culminar com o cansaço e/ou afastamento. E, dada a proliferação de séries (em tempos escrevi um post sobre isto), não sei se não sería melhor para algumas retirarem-se enquanto estão assim-assim do que esperar por uma saída pela porta pequena. Isto, como é óbvio é a minha opinião acerca de algumas que já acompanhei com mais entusiasmo. Concretamente acerca de Donas de Casa Desesperadas, que vai na 7ª temporada mas da qual me desliguei há muito. Se calhar a ver tudo bem, se não, tudo bem na mesma. Depois de um arranque em alta, com graça, humor e mistério, creio que a série tem vindo a perder interesse. Ainda que utilize os mesmos ingredientes a força do argumento talvez se tenha perdido ao longo de sete anos.

Clínica Privada, o spin-off de Anatomia de Grey existe há menos tempo, 4 temporadas,  mas confesso que a 3ª me deixou pé atrás e com pouco interesse em assistir. As confusas relações pessoais sem sumo, sem amor, sem ponta por onde se pegasse, deixou-me desconfiada em relação ao sucesso futuro. Pode ser uma fase, também Anatomia de Grey passou por isso e depois teve 2 temporadas em grande, tendo a 6ª um final impressionante.

Enfim, tal como as relações que por vezes passam por momentos  menos bons para depois se reerguerem, o mesmo poderá acontecer com algumas das séries que em tempos gostei de ver.

 

link do postPor costela de adão, às 12:32  para dizerem algo

6.10.09

Nunca tive muito interesse em acompanhar a série Gossip Girl quando passou há algum tempo no canal de cabo SET. Não calhou, via outras na Fox no mesmo horário. Pelos vistos agora estão a repeti-la e já vi 2 episódios. Do que percebo retrata a vida de adolescentes pertencentes à nata de Nova Iorque, das suas amizades, relações e ralações. Enfim, é uma série assim-assim (na minha opinião) que nos mostra - e talvez não seja ficção - como se comportam as famílias "de bem".Daí não entender a SIC vir anunciar para breve a sua estreia com a frase "a melhor série do momento". Como??! Acho que não é preciso procurar muito para encontrar algumas coisas bem melhorzinhas. Mas isto sou eu que penso e a minha opinião vale o que vale.

 

                                     

 

E já agora, alguém acredita que algum daqueles "adolescentes" tem 16 anos???

 

 

sinto-me: crítica de tv, séries
link do postPor costela de adão, às 22:57  o que se disse (11) para dizerem algo

30.6.09

Acabou mais um episódio do Lost e adivinhem como me sinto? É isso mesmo, perdidinha da Silva, que esta série dá-me cada nó no cérebro que é do melhor!

 

                                       

 

Talvez o facto de sempre ter acompanhado a série aos retalhos contribua para a confusão, mas mesmo assim não estou convencida que seja só por isso.

 

tags: ,
sinto-me: como dizer? Lost?
música: Everything's not Lost (Coldplay)
link do postPor costela de adão, às 23:07  o que se disse (2) para dizerem algo

22.6.09

Eu gosto de ver séries de televisão. De umas gosto mais do que de outras, óbvio; outras não vejo. Mas mesmo nas séries de que gostamos há personagens de quem gostamos e outras que se conhecessemos na real life, íamos olhar de lado (eu ía!):

 

Seguem alguns exemplos de umas e de outras:

 

As NÃO

 

Temperance Brenan

O excesso de frieza racional e falta de emoção ou qualquer espécie de humanidade (na mesma proporção) fazem da Bones uma personagem um bocadinho antipática, o oposto do companheiro de aventuras Seeley Booth. Claro que a diferença de personalidade de ambos cria momentos de algum humor, mas se conhecesse esta pessoa não me parece que fosse gostar muito dela.

 

Rachel Green e Monica Geller

Gosto MUITO do Friends mas racionalmente falando/escrevendo (estilo T. Brennan) a Rachel é um bocado oca e a personalidade extremamente competitiva da Monica que tem que ser sempre a melhor...please! Mas obviamente que o facto de assim serem dá espaço para boas gargalhadas.

 

Gregory House - se o conhecesse não acho que fosse simpatizar com ele, mas é bom médico, porra! Cínico, azedo, antipático, mas bom médico. (não desgosto assim tanto dele...)

 

Esta aqui nem sei se é boa série, não vejo. Só a apresentação me faz blhac (sim, sim, um comentário muito maduro): é a Saving Grace - sinceramente, tanta estouvadice da tal da Grace até chateia. Se fico cansada com a apresentação, como ver um episódio inteiro?

 

 

As SIM 

 

Phoebe (Friends) e da sua "loucura";

Barb (As Novas Aventuras de Christine) com o seu sentido de humor cínico e ar rezingão que está lá para dizer umas verdades à amiga quando necessário;

Lily Rush (Casos Arquivados) - inteligente, sensível, perspicaz, corajosa

Addison Montegomery (Clínica Privada) - forte, decidida, humana

Chandler Bing - o Friend mais inteligente e com sentido de humor

 

 

 E tirando, até ao momento, a Holly de quem não gosto (não me lembro do sobrenome e não me apeteceu procurar na net), gosto das personagens da série Irmãos e Irmãs. Gosto muito desta série que combina momentos de drama com outros de humor - normalmente as reuniões familiares são propícias a ambos - e os personagens nem sempre são bons, nem sempre maus. São pessoas com defeitos, qualidades e fraquezas, forças, no fundo, como todos nós.

 

sinto-me: crítica
link do postPor costela de adão, às 22:09  o que se disse (8) para dizerem algo


Pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


arquivos
links
A Passear no Paraíso