Observações sobre tudo e sobre coisa nenhuma
23.3.12

As coisas não estão fáceis para os portugueses, sejam eles empregados do Estado, do privado, ou, a pior das situações, desempregados. O direito à greve existe. No entanto, creio que já tivémos demasiadas provas de que as greves não resultam em alterações dos procedimentos estabelecidos e que levaram à convocação das mesmas. Aqueles que se pretende atingir não são atingidos e quem acaba por pagar a factura de mais um dia de greve são os portugueses. Seja porque têm que faltar ao trabalho para ficar com os filhos pelas escolas não funcionarem, seja porque têm de gastar dinheiro em transportes alternativos para poder chegar ao local de emprego, ou faltar (mais uma vez). Ou seja, penalizam-se os cidadãos.

 

Portugal já viveu num regime ditatorial. O 25 de Abril de 1974 veio alterar esse estado de coisas. No entanto, isso não significa que tenha deixado de existir ditadores, longe disso. O que é mais curioso é que aqueles que reclamam pelos seus direitos, inclusivé o direito à greve, não respeitam o direito e quem não a quer fazer, chegando mesmo a agressões contra os não aderentes. Se isto não é uma forma de repressão e com laivos de ditadura, não sei o que é. Normalmente, xó se vê o mal quando está nos outros, não quando olhamos para nós.

Porque os nossos actos são sempre justificados.

 

Por fim, as lamantáveis as cenas de agressões entre a polícia e os maifestantes, da polícia contra jornalistas. Haverá excessos de parte a parte. Se por um lado, há quem participe nestas manifestações com uma intenção óbvia de espalhar a confusão e nada quer reivindicar, por outro, as forças policiais parecem ficar um bocado perdidas e avançam contra tudo, sem olhar a quem.

Lamentável.

 

 

link do postPor costela de adão, às 20:38  para dizerem algo

25.11.10

Ontem mais uma greve. Como em algumas coisas a tradição ainda é o que sempre foi, os números da adesão apresentados pelos sindicatos são grandes e símbolo de vitória esmagadora; já os do Governo, oh espanto, uma coisa menor de pouca importância, o país funcionou às mil maravilhas! Só se o facto de não ter parado por completo significa em linguagem governamental, pouca adesão. Talvez seja isso, mas eu dessa linguagem pouco percebo. Do que vi nos noticiários creio que a verdade está mais para o lado dos sindicatos. Nunca vi qualquer Governo confirmar uma grande adesão a greves, nunca vi assumirem que os números são elevados. Qual a necessidade de negar o óbvio?

 

link do postPor costela de adão, às 23:03  para dizerem algo


Pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


arquivos
links
A Passear no Paraíso