Observações sobre tudo e sobre coisa nenhuma
3.5.10

Quando eu fôr crescidinha, quero ir viver para o estrangeiro. Depois, quero candidatar-me a um lugar de deputada em Portugal por um partido português. E na altura de me inscrever para as listas dou como residência uma morada de um lugarito algures em Portugal. E consigo ganhar o meu lugar. Mas não me mudo para Portugal, porque eu resido no estrangeiro, que é mais fino e civilizado. E depois quero ir a casa ao fim de semana, que é no estrangeiro e é lá que está a minha vida, apesar de eu ter dado uma morada portuguesa para me poder sentar na Assembleia da República em Portugal. E por isso quero que me paguem as despesas de deslocação, como aliás está previsto acontecer com os deslocados. E o país está em crise, mas eu não prescindo que me paguem as viagens, nem admito ir em classe turística. E depois, depois (são 2 de propósito) de tanto rebuliço e bruáá que isto causou, quando finalmente se decidirem por me pagarem as viagens, eu abdico disso porque não quero que os outros partidos façam propostas de alteração à lei para impedir estes abusos no futuro, usando o meu caso como exemplo, porque não estou para ser arma da oposição. E pronto, será mais ou menos assim.

A esquerda das alcatifas é uma coisa tããão gira, sei lá!

 

 

sinto-me:
link do postPor costela de adão, às 21:19  o que se disse (2) para dizerem algo


Pesquisar neste blog
 
mais sobre mim
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


arquivos
links
A Passear no Paraíso